Saúde Pública
SAÚDE PÚBLICA

Conheça a autoridade de saúde de Lisboa e Vale do Tejo

Recrutamento
recrutamento

Descubra os Procedimentos Concursais a decorrer e venha trabalhar connosco

CS Fora de Horas
Atendimento Complementar na Doença Aguda

Centros de Saúde Fora de Horas

Banner sites_SNS_44 ANOS_Portal SNS

Dia Mundial Higiene das Mãos e Semana Precauções Básicas Controlo de Infeção

 

A higiene das mãos salva milhões de vidas todos os anos, quando realizada nos momentos certos durante a prestação de cuidados de saúde e também no dia-a-dia dos Cidadãos na Comunidade.

O Movimento da OMS “SALVE VIDAS – Higienize as Suas Mãos” é um sinal de respeito por quem procura os cuidados de saúde, além de proteger os profissionais de saúde e cuidadores.

Este é um momento crítico.

A mensagem propalada por alguns de que devemos esquecer a pandemia é errada. Errada e incumprível.

Incumprível porque é impossível esquecer aquele longo período de trabalho estrénuo e devotado e, sobretudo, porque é impossível esquecer os doentes, os familiares e os amigos que muitos de nós perderam nessa batalha.

Em vez de esquecer, devemos aprender e acelerar a implementação das virtudes adquiridas durante a pandemia. Muitas. Entre elas, duas que aqui saliento: a saúde pública é uma obra conjunta de toda a comunidade e de todos os cidadãos e o valor e impacto em saúde da higiene das mãos.

Assim, peço e convoco-vos a todos, organizações de saúde e profissionais de saúde, para dois grandes objetivos, simultaneamente de grande simplicidade e enorme valor social e ético.

Às organizações e unidades de saúde peço que sintam como sua a responsabilidade de promover a literacia em saúde de todos e de cada um dos cidadãos, com equidade, ajudando a que cada um possa compreender e usar a informação de forma a tomar decisões e a agir em saúde de forma adequada e acertada. Ensinar higiene das mãos é, assim, uma responsabilidade institucional em relação às populações que servem.

Aos profissionais de saúde, peço que exerçam as intervenções pessoais e coletivas que pemitam atingirmos os 90% de adesão ao primeiro momento da higiene das mãos. O primeiro momento é aquele que tem sistematicamente menor adesão e é também aquele que reflete uma atuação mais altruísta e focada na proteção do doente.

Aceleremos, todos juntos, para uma adesão de pelo menos 90% ao primeiro momento da higiene das mãos.

Isso só depende de nós. E nós todos queremos isso.

Muito obrigado

José Artur Paiva

Diretor PPCIRA/DGS

Voltar
RSE - Area Cidadão