Simulacro de incêndio no IPO Lisboa

Ipo 1 1 690 400
18 Setembro 2019


O IPO Lisboa realizou um simulacro de incêndio na quarta-feira, 11 de setembro, para testar e avaliar o Plano de Emergência Interno. O exercício envolveu profissionais e utentes e contou com a colaboração dos Sapadores Bombeiros de Lisboa, da Autoridade Nacional de Proteção Civil e da Policia de Segurança Pública, que confirmaram a capacidade de resposta do Instituto para atuar num incidente do género.


O Plano de Emergência Interno (PEI) do Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil (IPO Lisboa) foi testado esta quarta-feira, dia 11 de setembro, com a realização de um simulacro de incêndio no piso 2 da Escola de Enfermagem, local onde decorrem as consultas de Dermatologia, Feridas e Psicologia.

O exercício decorreu às 15h00 e teve como cenário uma explosão, seguida de incêndio, na sala de bastidores do secretariado do Serviço de Dermatologia, localizada no piso 2 do Pavilhão da Escola de Enfermagem, com intensa propagação de fumo, que alastrou a todo o andar, provocou a intoxicação de uma profissional, assistida no local, e obrigou à evacuação do edifício.


O fogo ficou confinado à zona do secretariado e foi prontamente extinto pelos bombeiros, que evacuaram a vítima e procederam ao arejamento do edifício.
O simulacro visou testar a operacionalidade do PEI do IPO Lisboa, nomeadamente avaliar as medidas de intervenção em caso de incêndio; treinar as equipas de intervenção e de evacuação; avaliar a articulação interna e com as forças de socorro e de segurança externas; testar a acessibilidade e a mobilidade das viaturas dos bombeiros; a regulação do trânsito nos acessos ao Instituto; a circulação de doentes e colaboradores na área do incêndio e aprofundar a cultura de prevenção e de segurança dos profissionais e dos utentes.


O simulacro foi organizado pelo serviço de Gestão de Risco e Segurança do IPO Lisboa, envolveu vários serviços e colaboradores do Instituto e contou com a colaboração dos Sapadores Bombeiros de Lisboa (SBL), da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), de agentes da 21ª Esquadra da Policia de Segurança Pública (PSP) e utentes.

No final do exercício, que durou cerca de 40 minutos (o fogo foi considerado extinto às 15h28 e o PEI foi desativado às 15h37), decorreu uma reunião com todos os intervenientes, que foi presidida por Sandra Gaspar, vogal executiva do IPO Lisboa, e que visou avaliar a atuação e os procedimentos adotados na resolução da ocorrência.


As entidades externas envolvidas confirmaram a adequada capacidade de resposta do IPO Lisboa para uma situação de emergência deste tipo e propuseram melhorias ao nível da evacuação das pessoas nos pisos superiores do edifício onde se registou a ocorrência, na condução para o ponto de encontro e na comunicação com as entidades de segurança que estavam no exterior.

Será agora efetuado um relatório de avaliação do simulacro, que integrará os contributos dos SBL, da ANPC e da PSP.