Primeiro- Ministro e Ministra da Saúde inauguraram 5 Unidades de Saúde no distrito de Lisboa

Pl final 1 690 400
24 Julho 2019

Primeiro-Ministro, António Costa, e a Ministra da Saúde, Marta Temido, inauguraram esta segunda-feira, dia 22 de julho, 5 novas Unidades de Saúde, nos concelhos de Sintra e Amadora. As cerimónias contaram com a presença de Luís Pisco, Presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT). Participaram ainda o Presidente da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta, a Presidente da Câmara Municipal da Amadora, Carla Tavares, a Diretora Executiva do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Sintra, Maria Clara Pais,  e a Diretora Executiva do ACES Amadora, Ana Isabel Pereira da Silva.

As 5 novas unidades de saúde integram-se nos Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES) Sintra (Unidade de Saúde Almargem do Bispo, Unidade de Saúde de Agualva e Unidade de Saúde de Sintra) e Amadora (Unidade de Saúde da Venteira e Unidade de Saúde de Águas Livres) e vêm melhorar as condições assistenciais, contribuindo, assim, para o aumento da satisfação dos seus utilizadores e dos seus profissionais.

Estas três novas Unidades de Saúde no Concelho de Sintra representam um investimento total de 2 milhões e 775 mil euros e contam com um total de 20 médicos, 25 enfermeiros e 13 assistentes técnicos que vão prestar cuidados de saúde a cerca de 58.022 utentes.

Por sua vez, as duas novas Unidades de Saúde, no Concelho da Amadora, representam um investimento total de 2,6 milhões de euros e contam com um total de 14 médicos, 17 enfermeiros e 10 assistentes técnicos que vão prestar cuidados de saúde a cerca de 45.600 utentes.

António Costa referiu que “é fundamental prosseguir esta reforma dos cuidados de saúde primários, assegurando a todos o acesso a médico de família, garantindo, assim, cuidados de proximidade às pessoas”.

O Primeiro-Ministro destacou que este é um investimento importante, “por um lado por respeito para com os utentes que têm obviamente o direito a exigirem serem acolhidos em instalações de qualidade, que sejam acessíveis, e onde possam ter bons cuidados médicos, bons cuidados de saúde, bons cuidados de enfermagem”.

“Mas, por outro lado, também de respeito para com os profissionais do Serviço Nacional de Saúde, aqueles que há 40 anos têm permitido ao país obter os ganhos de saúde que têm obtido e que nas condições mais adversas nunca deixaram de prestar os melhores cuidados de saúde a cada uma das portuguesas e a cada um dos portugueses”, concluiu.

Por sua vez, Marta Temido mencionou que “o trabalho nesta área nunca acaba”, referindo que “este momento que hoje estamos a assinalar é para os utentes, temos um longo caminho pela frente para continuar a modernizar o SNS, de modo a servir melhor os utentes, para que estes tenham vidas mais satisfatórias, com mais saúde e mais felizes”.