Comemoração do Dia Mundial da Saúde - Estufa Fria

Final 1 690 400
05 Abril 2019

A Estufa Fria, em Lisboa, foi o palco escolhido para as comemorações do Dia Mundial da Saúde. A sessão de abertura ficou a cargo da Diretora-Geral da Saúde, Graça Freitas, que começou por esclarecer a relevância deste dia para o qual a “Organização Mundial da Saúde, desafia todas as instituições e líderes mundiais a estabelecer a cobertura universal de saúde como uma prioridade”.

 

"A Cobertura Universal de Saúde significa que todas as pessoas têm acesso a cuidados de saúde de diferentes níveis: promoção da saúde, prevenção, tratamento, reabilitação ou cuidados paliativos, sem risco financeiro para o cidadão, de acordo com as suas necessidades e expectativas. Nas últimas décadas devido à melhoria dos determinantes da saúde, das condições sanitárias, do acesso universal a cuidados de saúde, da capacitação crescente dos cidadãos e ao desenvolvimento científico e tecnológico, atingiram-se, globalmente, significativos ganhos em saúde", concluiu Graça Freitas.

No decorrer da sessão, a jornalista Maria Elisa Domingues, moderou uma mesa redonda que abordou temáticas transversais à cobertura universal como as Unidades de Saúde Familiar (USF), com Martino Gliozzi a falar da sua experiência, como médico, e diretor executivo na USF da Baixa, Vasco Malta, do Alto Comissariado para as Migrações, Ema Paulino e a importância da Farmácias Comunitárias, Manuela Santos e o ponto de referência que é o SNS 24, Paulo Melo e a importância do acesso à Saúde Oral e Filipa Maia com a importância dos movimentos da Sociedade Civil.

O Prémio Nacional de Saúde 2018 foi atribuído a José Castro Lopes, médico neurologista e presidente da Sociedade Portuguesa do Acidente Vascular Cerebral (AVC) desde a sua fundação.

 

 

O prémio foi atribuído pela “excelência do percurso profissional e clínico” e pelo contributo para obtenção de ganhos em saúde na área da doença vascular cerebral, como redução de mortalidade e morbilidade, sobretudo na área do AVC.

A cerimónia prosseguiu com a atribuição das menções honrosas e a entrega de medalhas a diversas personalidades e Instituições, pela relevância do seu trabalho, entrega, e distinção no Serviço Nacional de Saúde.

Exemplos desta distinção, foram, Helena Costa, Diretora Executiva do ACES de Cascais, Ileine Lopes, Diretora Executica do ACES Loures Odivelas, e Manuela Peleteiro, Diretora Executiva do Aces Lisboa Norte, da região de Lisboa e Vale do Tejo.

 

No Prémio de Saude Pública Francisco George, que distingue trabalhos e investigação na área da saúde, foi distinguido Miguel Telo de Arriaga, por um trabalho na área do trauma.

 

Marta Temido, na sua intervenção, salientou o facto de muitos portugueses ainda desconhecerem os direitos que têm no acesso a cuidados médicos, de qualidade, atempados, e com proteção financeira, face aos custos da doença, razão pela qual, concluiu "temos que continuar a investir na literacia em saúde".