Odivelas recebe a visita do Primeiro-ministro e da Ministra da Saúde

Odivelas 1 1 690 400
11 Março 2019

 

António Costa e Marta Temido visitaram esta manhã o novo edifício do Centro de Saúde de Odivelas. O Primeiro-Ministro admitiu que no Serviço Nacional de Saúde (SNS) há aspetos a melhorar, mas salientou o investimento feito em saúde – que passa por infraestruturas, mas também por recursos humanos e equipamentos. A Ministra da Saúde centrou a sua mensagem nos profissionais, destacando a necessidade de reter os jovens médicos.


O nº 31 da Rua Prof. Abreu Lopes, em Odivelas, encheu-se para receber António Costa e Marta Temido. O edifício, a funcionar desde o final de Dezembro, acolhe duas Unidades de Saúde Familiar (USF) e encerra o ciclo de renovação de infraestruturas de saúde daquela cidade.


Após uma visita às instalações que permitiu o contacto com profissionais e utentes, os governantes dirigiram-se aos presentes. Na sua intervenção, António Costa destacou as melhorias implementadas no SNS. Em 2018, só nos Cuidados de Saúde Primários, “foram feitas 31 milhões de consultas, houve mais 589 mil do que tinha havido em 2015”. “Mas não chega. Como sabemos, há pessoas que ainda estão à espera de consulta” porque “as necessidades são imensas e foram, entretanto, aumentando, porque se já faltava pessoal, há pessoal que, entretanto, foi atingindo a idade da reforma”.

Por outro lado, há que “oferecer melhores condições para que o Serviço Nacional de Saúde continue a ser competitivo na atração de profissionais, porque hoje temos uma grande concorrência”, quer seja do sector privado e social, quer seja de outros países.

“Nós temos de conseguir combinar de uma forma virtuosa estas diferentes necessidades para podermos continuar a fazer o que nos compete, que é continuar a melhorar o Serviço Nacional de Saúde”, concluiu o Primeiro-ministro.


Por sua vez, Marta Temido adiantou que em breve estará concluída a formação de aproximadamente 400 jovens médicos especialistas. “O desafio que aqui deixamos é para todos eles, para permanecerem no Serviço Nacional de Saúde e para trabalharem para os utentes do Serviço Nacional de Saúde”, salientou. A governante referiu ainda que na atual legislatura foram contratados mais de 1.300 médicos de família.

Para a Ministra da Saúde, o reforço também se faz através da “construção de novos hospitais”, mas “sobretudo por unidades do tipo desta, pelos cuidados de proximidade, por maior funcionalidade, melhor eficiência e melhor qualidade”.


Na sessão também intervieram Hugo Martins, Presidente da Câmara Municipal de Odivelas – entidade que comparticipou a edificação e se constituiu como dono da obra – e Ileine Lopes, Diretora Executiva do Agrupamento de Centros de Saúde Loures-Odivelas.

 


Em representação da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) esteve o seu Presidente, Luís Pisco, e Nuno Venade, Vogal do Conselho Diretivo, além de outros responsáveis regionais.


A nova unidade de Odivelas está a dar resposta a cerca de 27.000 utentes, tem capacidade para 41.800 utentes e ocupa uma área bruta de 1.638 m2. Correspondendo a um investimento de 1,4 milhões de euros, o novo centro de saúde é composto pela USF Mosteiro, a funcionar no piso 0 com 20 gabinetes de consulta médica e de enfermagem e 3 salas de tratamento; e pela USF Cruzeiro, alojada no Piso 1, dotada de 19 gabinetes de consulta médica e de enfermagem, 3 salas de tratamento, 1 gabinete de saúde oral e sala de movimento.

A abertura da nova infraestrutura permitiu encerrar a unidade de Olaio, a funcionar num prédio de habitação de três andares com muito pouca acessibilidade aos utentes. Possibilitou, ainda, a reorganização das unidades de saúde das freguesias de Odivelas e da Ramada e Caneças, além de melhorar as condições de trabalho e segurança de 40 profissionais de saúde: 16 médicos, 16 enfermeiros, 4 assistentes técnicos e 4 assistente operacionais).