Projeto - "Eat Mediterranean: A Program for Eliminating Dietary Inequality in Schools - O que é a Dieta Mediterrânica?

Eea grants financiado por 1 690 400
03 Outubro 2015

 

O Projeto inicia hoje a divulgação de noções sobre a Dieta Mediterrânica. 

 

 

O que é a Dieta Mediterrânica?

A dieta Mediterrânea não traduz apenas um padrão alimentar, mas um estilo de vida (1). É um estilo de vida equilibrado que inclui alimentos, receitas, métodos de confecção, convívios, tradições, produtos locais, sazonalidade, atividade física e descanso (2). Entre as muitas propriedades de saúde benéficas deste padrão alimentar destaca-se o tipo de gordura que o caracteriza (azeite, peixe e nozes), as porções dos constituintes principais das suas receitas (cereais e vegetais como base dos pratos e carne ou peixe como acompanhamento) e a sua riqueza em micronutrientes como resultado do uso de vegetais sazonais, ervas aromáticas e especiarias (1).

O padrão da Dieta Mediterrânica é representado por uma pirâmide que coloca na sua base os alimentos que devem sustentar a dieta alimentar diária e relega para os estratos superiores, graficamente mais estreitos, aqueles que devem ser consumidos com moderação ou apenas de forma ocasional. São adicionadas também indicações de ordem cultural e social, ligadas ao estilo de vida mediterrâneo. Dá-se prioridade não só ao tipo mas à forma de selecionar, cozinhar e comer os alimentos. Reflete ainda a composição e o número de porções de refeições (1). É um estilo de vida marcado pela diversidade e conjugado com as seguintes características (1):

  • Consumo elevado de alimentos de origem vegetal (cereais pouco refinados, produtos hortícolas, fruta, leguminosas secas e frescas e frutos secos e oleoginosos);
  • Consumo de produtos frescos, pouco processados e locais, respeitando a sua sazonalidade;
  • Utilização do azeite como principal gordura para cozinhar ou temperar alimentos;
  • Consumo baixo a moderado de lacticínios;
  • Consumo frequente de pescado e baixo e pouco frequente de carnes vermelhas;
  • Consumo de água como a bebida de eleição e baixo a moderado consumo de vinho a acompanhar as refeições principais;
  • Realização de confecções culinárias simples e com os ingredientes nas proporções certas;
  • Prática de atividade física diária;
  • Fazer as refeições em família ou entre amigos, promovendo a convivência entre as pessoas à mesa.

 

A dieta mediterrânea está associada a uma menor incidência de mortalidade por todas as causas, à menor incidência de doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, certos tipos de cancro e doenças neurodegenerativas (3).

Estudos evidenciam que um tratamento comportamental baseado em padrões mediterrânicos promove a perda de peso e a manutenção de um peso saudável, prevenindo ou tratando assim a Obesidade (4).

 

Referências:

(1) Fundación Dieta Mediterránea. Disponivel em: http://dietamediterranea.com/.

(2) Bach-Faig A et al. Mediterranean Diet Foundation Expert Group Mediterranean diet pyramid today. Science and cultural updates. Public Health Nutr. 2011;14(12A):2274-84.

(3) Castro-Quezada I, Román-Viñas B, Serra-Majem L. The Mediterranean Diet and Nutritional Adequacy: A Review. Nutrients. 2014; 6(1):231-248.

(4) Garaulet M, Pérez de Heredia F. Behavioural therapy in the treatment of obesity(II): role of the Mediterranean diet. Nutr Hosp. 2010;25(1):9-17).

 

Fonte da imagem:(http://www.huffingtonpost.com/2013/05/21/mediterranean-diet-brain-power-study_n_3312691.html), sendo que a original é do site Getty Images.