ARSLVT conclui 3ª edição do Curso de Cuidados Paliativos

Cpaliativos final 1 1 690 400
27 Dezembro 2018

 

O III Curso de Cuidados Paliativos - Formação Intermédia, uma iniciativa da Academia de Formação da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) em colaboração com a Comissão Nacional de Cuidados Paliativos (CNCP), chegou ao fim a 20 de dezembro. Com esta conclusão, a ARSLVT passa a ser a primeira ARS do País a terminar um ciclo de três formações. Para 2019 estão já programadas mais duas edições do curso.   

A terceira edição do Curso de Cuidados Paliativos – Formação intermédia foi a mais participada até ao momento, com 32 formandos. No total das três edições, a ARSLVT formou 90 profissionais de saúde oriundos das Equipas Comunitárias de Suporte em Cuidados Paliativos (ECSCP), Equipas Domiciliárias de Cuidados Continuados Integrados (ECCI), e de unidades de internamento de Longa Duração, mas também de outras unidades funcionais dos Cuidados de Saúde Primários (CSP).


Com uma carga horária de 90 horas que teve início a 13 de setembro, o III Curso tornou a ARSLVT na primeira a concluir três ciclos de formação nesta área. Isso atesta o investimento da instituição na capacitação dos seus profissionais nesta área fundamental das respostas em Saúde.

A quarta e quinta edições estão já programadas para os próximo ano: uma em cada semestre do ano. Por isso, se trabalha ou tem interesse em Cuidados Paliativos, mantenha-se atento ao site da ARSLVT.

 

 

De acordo com Ana Cristina Fryxel, Coordenadora Regional para os Cuidados Paliativos, “esta formação é sempre uma mais-valia para os profissionais que trabalham na área” e até mesmo para quem tem curiosidade pelo tema. O “interesse tem sido crescente e nesta edição tivemos mais de 100 candidatos para 32 vagas”. Este facto, defende, está diretamente relacionado com a realidade que os profissionais encontram no terreno: “cada vez mais há pessoas idosas com falência de órgãos e/ou neoplasias que necessitam de Cuidados Paliativos”.

Com formadores que são nomes de referência na área, a recetividade dos formandos às matérias versadas “tem sido muito boa” e promete continuar.