Rastreio visual infantil já está a decorrer no ACES Oeste Norte

Oeste 1 1 690 400
29 Novembro 2018


O Rastreio de Saúde Visual Infantil já está a decorrer no Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Oeste Norte. Este ACES da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) foi o primeiro a receber as crianças de dois anos para um exame simples aos olhos, que ajuda a detetar alterações da visão.


“Nesta primeira fase estamos a ter uma adesão muito positiva das famílias. Estamos muito motivados por podermos proporcionar aos nossos utentes mais este serviço de aposta na prevenção, fundamental para detetarmos precocemente alterações da visão, e que só é possível por toda a equipa estar envolvida, desde o secretariado clínico, à enfermagem e Saúde Pública”, explicou a diretora executiva do ACES Oeste Norte, Ana Pisco.

O rastreio – com o slogan “Ver bem, crescer melhor” – foi lançado neste mês de novembro nos ACES Oeste Norte e Oeste Sul e será, progressivamente, alargado a toda a região. Este programa de rastreio de base populacional consiste num exame simples aos olhos, que permite detetar precocemente alterações da visão. No ano em que completam dois anos as crianças recebem em casa uma carta convite para o rastreio.

O teste demora 1 a 2 minutos e consiste na realização de uma fotografia aos olhos da criança, feita com uma tecnologia inovadora, rápida e indolor que permite identificar fatores de risco para a ambliopia (olho preguiçoso). A máquina, com um desenho e som atrativo para as crianças, facilita o processo. A imagem é enviada para o centro de leitura do Instituto de Oftalmologia Dr. Gama Pinto, onde será analisado por um oftalmologista.


Se os testes realizados não apresentarem alterações de visão, a criança de 2 anos regressa à lista de rastreios e voltará a ser convocada para um novo exame aos quatro anos. Se o oftalmologista detetar alterações, a criança será chamada para uma consulta de oftalmologia no hospital, onde será avaliada, feito o diagnóstico e, caso necessário, o tratamento. Tanto a consulta como o teste de rastreio feitos no centro de saúde são totalmente gratuitos, dispensando pagamento de taxa moderadora.

A ambliopia é um problema de saúde pública, sendo considerada a causa mais frequente de perda de visão entre os 20 e os 70 anos de idade. A ambliopia instala-se desde idades precoces, muitas vezes de forma assintomática, já que as crianças não exibem sinais clínicos nem verbalizam queixas. Uma vez que a ambliopia é quase sempre unilateral, também não se observam alterações comportamentais capazes de fazer suspeitar da sua presença.