Rastreios oncológicos da ARSLVT em destaque no Fórum do Medicamento

Rastreiosfmedicam 1 1 690 400
22 Novembro 2018


Os rastreios oncológicos da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) estiveram em destaque na 10.ª edição do Fórum do Medicamento, que decorreu no dia 16 de novembro, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

No âmbito de um painel dedicado à “Equidade no acesso, respostas inovadoras a novos desafios”, a coordenadora da Equipa Regional dos Programas de Rastreio da ARSLVT, Eunice Carrapiço explicou que o programa de rastreios oncológicos da ARSLVT é um exemplo de excelência no que diz respeito à articulação entre os diferentes níveis de cuidados, “tornando o percurso do doente mais fácil e sem barreiras”.


Eunice Carrapiço deu exemplos concretos relacionados com o rastreio do cancro do colo do útero e com o rastreio do cancro do cólon e reto, descrevendo que a plataforma existente permite acompanhar todo o rastreio, da marcação ao diagnóstico e tratamento.


A comunicação e ligação entre cuidados de saúde primários e hospitais tem-se refletido numa melhor resposta aos utentes e a médica de família garante que também os profissionais têm “beneficiado com este diálogo permanente e com a criação e elaboração de materiais e documentos conjuntos para os cidadãos”. “Cria-se uma rede de conhecimentos interpessoais e de cumplicidades positivos”, reforça a coordenadora.

O Fórum do Medicamento é uma iniciativa anual da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares, que visa contribuir para o conhecimento e partilha de boas práticas na área da gestão do medicamento.

A edição deste ano teve como tema «Financiamento e equidade para um SNS sustentável», tendo sido analisados os desafios do financiamento de medicamentos inovadores e a liberdade de escolha do utente, a par com a equidade no acesso e a necessidade de serem encontradas respostas inovadoras a novos desafios.

O encontro pretendeu também gerar um debate sobre a gestão da tecnologia do medicamento, promovendo a partilha de boas práticas e a procura de soluções concertadas que permitam alcançar os melhores padrões de excelência, qualidade e sustentabilidade na prestação de cuidados do Serviço Nacional de Saúde.