Apresentação pública da Equipa Comunitária de Suporte de Cuidados Paliativos do ACES Sintra

Sintra 1 1 690 400
29 Dezembro 2017

Realizou-se no dia 14 de dezembro de 2017, no Palácio de Valenças na Vila de Sintra, a apresentação pública da ECSCP Cacém Queluz do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Sintra.

Este evento contou com as presenças do Vogal do Conselho Diretivo da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, Nuno Venade, da Diretora Executiva do ACES Sintra, Ana Andrade, do Vereador da Câmara Municipal de Sintra, Eduardo Quinta Nova e da Presidente da Comissão Nacional de Cuidados Paliativos, Edna Gonçalves e da ECSCP Cacém-Queluz. 

A ECSCP Cacém Queluz surgiu da necessidade de melhorar a qualidade dos cuidados à pessoa e família com necessidades paliativas. A constituição e funcionamento desta equipa baseia-se na Lei de bases dos Cuidados Paliativos, e integra-se no Plano de Desenvolvimento para os Cuidados Paliativos 2017-2018.

A equipa tem como missão prevenir e aliviar o sofrimento promovendo a dignidade e a qualidade de vida da pessoa doente e sua família através da prestação de cuidados personalizados, interdisciplinares, definindo estratégias específicas de planeamento, intervenção e acompanhamento assentes nos principais pilares dos Cuidados Paliativos, dando resposta à área geográfica das freguesias de Cacém-Queluz abrangendo aproximadamente 200.000 habitantes.

Num futuro próximo a equipa tem como objetivo impulsionar e apoiar a criação de pelo menos mais uma extensão da equipa, visando a equidade de cuidados no Concelho de Sintra.

Pela notória necessidade desta resposta a nível do Concelho de Sintra a ECSCP Cacém Queluz contou sempre com o incentivo, orientação e apoio da Direção do Aces e do seu Conselho Clinico, assim como da Câmara Municipal de Sintra.

Nos anos 90 a organização mundial de saúde (OMS) lançou a definição de cuidados paliativos considerando-os como parte integrante e necessária de uma política de saúde de qualidade.

Presentemente classificados como os cuidados que visam melhorar a qualidade de vida dos doentes e suas famílias, que enfrentam problemas decorrentes de uma doença grave e/ou incurável e com prognóstico limitado, através da prevenção e alívio do sofrimento, com recurso à identificação precoce e tratamento rigoroso dos problemas não só físicos, nomeadamente a dor, mas também dos psicológicos, sociais e espirituais.

São, portanto, uma realidade e uma necessidade à qual temos obrigação de responder.

Em Portugal a legislação e planos desta área sensível estabeleceu o objetivo de que todas as pessoas portadoras de doença grave ou incurável, em fase avançada e progressiva, residentes em território nacional, tenham acesso a CP de qualidade, independentemente da sua idade, diagnóstico, local de residência ou nível socioeconómico, desde o diagnóstico até ao luto.

Não obstante de nos diferentes âmbitos de saúde, já serem prestadas, no ACES Sintra, ações paliativas (ações básicas de apoio a doentes em fim de vida, de baixa complexidade e não integradas num trabalho interdisciplinar) são necessárias práticas organizadas e específicas de Cuidados Paliativos que claramente se diferenciam das primeiras.

Neste contexto, é consensual internacionalmente que existe a necessidade de uma ECSCP para cada 100.000 a 150.000 habitantes, o que nos permite inferir a necessidade da população abrangida pelo ACES Sintra, com cerca de 420.000 inscritos.

Assim sendo, é essencial dar uma resposta continuada e integrada à população que servimos, sendo a constituição desta equipa o primeiro passo.