Surto de malária em Cabo Verde

Shutterstock 560380507 1 690 400
01 Setembro 2017

 

A Direção-Geral da Saúde (DGS) divulgou um comunicado, no dia 31 de agosto, com um conjunto de medidas de proteção individual para os viajantes com destino a Cabo Verde, na sequência do surto de malária (paludismo) por Plasmodium falciparum na cidade da Praia, Ilha de Santiago, confirmado pela Organização Mundial da Saúde, em agosto de 2017.

Neste sentido, a DGS aconselha aos viajantes com destino a Cabo Verde:

- A marcação de consulta do viajante ou com o médico assistente, pelo menos quatro semanas antes da partida;

- A adoção das seguintes medidas de proteção individual contra a picada de mosquitos:

Para além das medidas acima descritas, a DGS recomenda, ainda, que os viajantes com destino à Ilha de Santiago, cidade da Praia, façam quimioprofilaxia para a malária, de acordo com as indicações do médico. As grávidas devem evitar viajar para a Ilha de Santiago, cidade da Praia. Se a viagem for inadiável, deverão recorrer à consulta do viajante ou ao médico assistente.

Os viajantes que regressem de Cabo Verde e apresentem sintomas sugestivos de infeção por malária (febre, calafrios, dores de cabeça, dores musculares e mal-estar), até seis meses após o regresso, devem contactar o SNS 24: 808 24 24 24 ou consultar o médico assistente, logo que possível, referindo a viagem. Fique a conhecer mais pormenores aqui.