Plano Nacional de Saúde - Estratégia para uma saúde melhor em Lisboa e Vale do Tejo

Img 2296 1 690 400
09 Fevereiro 2017

No âmbito do Plano Nacional de Saúde, a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), promoveu no passado dia 6 de fevereiro um Workshop na região subordinado ao tema - Estratégia para uma melhor saúde na região de Lisboa e Vale do Tejo -, com vista a apresentar objetivos e promover junto dos parceiros da comunidade uma discussão alargada sobre as estratégias a adotar, no intuito de melhorar a saúde da população e reduzir as desigualdades.

Os Planos Locais de Saúde, além de serem instrumentos de descentralização da implementação das políticas nacionais, procuram, ao nível regional, combater as desigualdades e identificar os recursos humanos, técnicos e financeiros para atingir os objetivos traçadosno Plano Nacional.

O evento contou com a presença do Diretor-Geral da Saúde, Francisco George, a Presidente do Conselho Diretivo da ARSLVT, Rosa Valente de Matos, o Diretor Executivo do Plano Nacional de Saúde, Rui Portugal e o Presidente da Câmara Municipal de Cascais, Carlos Carreiras.

Na sua intervenção, a presidente da ARSLVT, Rosa Valente de Matos, afirmou que "dispomos hoje de profissionais cada vez mais qualificados e tecnologias cada vez mais sofisticadas. Os nossos objetivos estratégicos passam por responder às necessidades dos cidadãos, valorizar a cultura, a identidade e as competências organizacionais, promover o acesso, a eficiência, a sustentabilidade e a qualidade do sistema de saúde, desenvolver a integração regional dos cuidados e qualificar e reforçar a rede de infraestruturas".

O encerramento da sessão ficou a cargo do Vice-Presidente da ARSLVT, Luís Pisco, que no âmbito do Plano Regional de Saúde sublinhou "Os Ganhos em Saúde devem passar pela medição e avaliação da carga de doença, pela identificação de relações causa-efeito, pela habilitação das populações com instrumentos que lhes permitam controlar e melhorar a sua saúde, pela consecução de um estado de saúde mais sustentável, quando comparado com uma atuação exclusivamente curativa e pelo ajustamento do aumento da esperança de vida a uma vida mais saudável".